Você sabe o que é gerenciamento de resíduos sólidos?

O Núcleo de Química da Poli Júnior elaborou uma newsletter pra te explicar!

O que é o gerenciamento de resíduos e como aplicar na sua indústria?

As atividades humanas e animal geram sobras dos seus processos e também de processos produtivos como a matéria orgânica, lixo doméstico, efluentes industriais e gases liberados de processos industriais ou por motores, todos esses são chamados de resíduos.

O resíduo industrial representa uma considerável parcela de todo o resíduo produzido no mundo.

Logo, tornou se uma pauta ambiental importante, a destinação destes resíduos.

Para orientar a classificação e destinação dos tipos de resíduos, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) criou a norma NBR 10.004.

Na norma são classificados os 3 tipos de resíduos:

· Perigosos;
· Não-Inertes;
· Inertes.

Sendo essa classificação feita a partir de suas características, como capacidade de oferecer perigos à saúde humana, animal ou vegetal.

Perigosos
A Classe 1 de resíduos industriais são os resíduos perigosos, isto é, eles representam características que causam riscos a saúde pública, ou ao meio ambiente.

Algumas dessas características são inflamabilidades, toxicidade, capacidade de contaminação, entre outras.

Não-inertes
A classe 2 dos tipos de resíduos contempla os resíduos que tem potencial de contaminação, isto é, podem vir a ser perigosos para a saúde humana ou do ambiente.

Alguns resíduos que estão nessa classificação são:

· fibras de vidro;
· resíduo de limpeza de caldeiras;
· lodos de filtros.

Inertes
Por fim, temos a classe 3, os resíduos Inertes, que não irão contaminar o ambiente e nem irá pôr em risco a saúde dos humanos e animais da área.

Muitos dos resíduos que são classe 3 podem ser reciclados e não se degradam facilmente.

Gerenciamento de resíduo

O gerenciamento de resíduo são um conjunto de ações nas etapas de coleta, transporte, transbordo, tratamento, destinação e disposição final, que de forma efetiva e sistêmica seja ambientalmente adequada, de modo a proteger o ecossistema nos entornos de todas as etapas destes processos.

Para o gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), a regulamentação é feita por meio da RDC n° 306/2004.

Essa RDC abrange a maioria dos resíduos provenientes dos serviços de saúde, exceto aos de fontes radioativas seladas e às indústrias de produtos sob vigilância sanitária.

Qual a importância de se ter um gerenciamento de resíduos?
Aos termos a análise do ciclo de vida dos produtos e na produção limpa, gerenciar resíduos é uma oportunidade de promover a qualidade da preservação e comercialização dos materiais.

Bem como evitar danos ambientais e à saúde pública, reduzir os desperdícios e custos, aumentando a lucratividade dos negócios

Ao se elaborar um PGRS, temos como consequências vantagens como se identificar facilmente as deficiências, reduzir desperdícios e, pela coleta seletiva, obter lucro através da comercialização de materiais recicláveis de qualidade.

Além de, é claro, melhorar a imagem da empresa para seus clientes, parceiros e a comunidade como um todo.

Além de por cumprir requisitos legais se irá evitar multas e punições ao mesmo tempo que protege o meio ambiente.

Como Aplicar na sua indústria?
Para que o gerenciamento de resíduos seja feito da forma correta e eficiente, deve seguir as seguintes etapas:

  1. Elaboração de PGRS
    O primeiro passo que se deve tomar é a elaboração de um Plano de Gerenciamento de Resíduos (PGRS).

    O plano deve estar sempre atualizado e seguir o conteúdo mínimo que consta no artigo 21 da Política Nacional de Resíduos Sólidos, da Lei n° 12.305/2010.
  1. Preparação da documentação
    Para o próximo passo é necessário que se prepare as documentações relativas aos resíduos.

    Ficha e envelope de emergência são alguns desses documentos, e tomam a norma NBR 7503 que irá especificar os seus requisitos.

    Outra documentação é a DTRP, a Declaração de Transporte de Resíduos Perigosos, que deve ser emitida quando o gerenciamento envolver resíduos considerados perigosos pela norma NBR 10.004.
  1. Segregação de resíduos nos pontos de geração
    Após a documentação, se pode então dar início aos processos que ocorrerão.

    A segregação dos resíduos industriais deve ser feita de acordo com a periculosidade do resíduo, de acordo com a Lei N° 12.305/2010 e a norma NBR 10.004.

    Sendo acrescido outros tipos de segregação quando o gerador achar necessário.
  1. Armazenamento temporário de resíduos
    É necessário o armazenamento dos resíduos sólidos temporariamente antes de seu tratamento e/ou destinação ou disposição final ambientalmente adequada.

    A ABNT define as normas NBR 12.235 para orientar o armazenamento de resíduos perigosos e a NBR 11.174 para o armazenamento de resíduos não perigosos.
  1. Registros de movimentação de resíduos
    É importante que se mantenha o hábito de registrar todos os tipos e quantidades de resíduos produzidos, assim como o encaminhamento dados a eles, de modo que esses registros estejam sempre atualizados.
  2. Coleta de resíduos
    Todo o trabalho de coleta deve ser conduzido com base nas normas de segurança, os veículos utilizados devem ser adequados para cada tipo de resíduo e suas embalagens.

    Assim como os motoristas devem ter recebido capacitação para Movimentação de produtos perigosos.

    Os motoristas e ajudantes devem portar EPIs e ter treinamento de atendimento a emergências.
  1. Tratamento de resíduos
    Quando temos resíduos perigosos, é necessário que se aplique um tratamento, que consistirá na aplicação de método, técnica ou processo que modifique as características de risco inerente aos resíduos.

    O que causará a redução ou a total eliminação do dano que o resíduo poderá causar ao meio ambiente.
  1. Destinação final ambientalmente adequada
    Quando viável a reutilização, os resíduos não perigosos coletados podem ser enviados para locais onde serão reutilizados, reciclados, sofrerão processos de compostagem, recuperação ou aproveitamento energético.
  2. Disposição final ambientalmente adequada
    Quando não for viável ou possível se proceder os processos da etapa anterior, os resíduos não perigosos são enviados para aterros sanitários.

    Já os resíduos perigosos devem ser enviados para aterros industriais, licenciado junto ao órgão ambiental competente, de modo que o descarte tenha o menor efeito possível no meio ambiente local.

Mas o que acontece se minha empresa não tiver um gerenciamento de resíduos?
É necessário entender que causar poluição ou danos a saúde pública, à fauna e a flora.

Eles são crimes ambientais e tem como pena a reclusão de uma a cinco anos caso haja o descarte de resíduos sólidos, líquidos, gasosos, detritos, ou óleos em desacordo com as exigências estabelecidas em leis ou regulamentos.

Além de penalidades civis e administrativas contra os responsáveis.

A manipulação, armazenamento, coleta, transporte, reutiliza, recicla ou dá destinação final a resíduos perigosos de forma diferente da estabelecida em lei ou regulamento estará sujeito a pena de um a quatros anos de reclusão.

Essas e diversas outras regulações são estabelecidas na Lei N° 12.305/2010 que, como dito anteriormente, rege o gerenciamento de resíduos sólidos

Atenciosamente,

Fernanda Arantes
Assessora de Relações Externas
cel.: (11) 99916-7108
tel.:(11) 99376-4289 | (11) 99696-9344